ULTIMA NOTICIA

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Nuvem tóxica atinge quatro cidades no litoral de SP; vazamento continua

A Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), responsável pela área, afirma que se trata de um vazamento de ácido dicloro isocianúrico de sódio, nome comercial do composto dicloroisocianurato de sódio (C3 O3 N3 NACL2). Pouco antes, os bombeiros chegaram a afirmar que a substância que vazou tinha características de amônia, mas a informação não se confirmou.
Um incêndio ocorrido posteriormente atingiu outros contêineres e a área foi isolada. No início da manhã desta sexta-feira, os bombeiros informaram que entre 20 a 25 contêineres foram atingidos pelas chamas. O trabalho está sendo feito por várias equipes que se dividem para resfriar o conjunto de contêineres e também atuam no combate individual em cada um deles. Os bombeiros utilizam 23 viaturas, um navio e um rebocador para captar a água do mar no combate ao incêndio Vária áreas do complexo portuário precisaram ser evacuadas. A fumaça rapidamente se espalhou pela cidade de Guarujá e as fotos registradas por moradores mostravam a Avenida Santos Dummont, a principal do município, coberta por uma névoa. Por volta das 22h, a fumaça já tinha se espalhado pelas cidades de Guarujá, Santos e São Vicente e invadiu várias casas ocasionando problemas respiratórios nos moradores.
A fumaça também invadiu o Pronto Socorro de Vicente de Carvalho. Os pacientes que estavam internados foram transferidos, juntamente com as equipes e ambulâncias, para a UPA Boa Esperança, na Rua Álvaro Leão de Carmelo, onde a Secretaria de Saúde de Guarujá afirmou que os pacientes terão tratamento especializado. As pessoas atendidas apresentaram ardência nos olhos ou mal-estar ocasionado pela fumaça. Apesar do transtorno, as vítimas não correm risco de morte. Segundo Flavio Zambrone, médico toxicologista e professor aposentado da Unicamp, "esse produto é extremamente tóxico". Ele produz irritações de pele e de olhos e, caso seja inalado, causa irritação também nos pulmões. "É um produto à base de cloro. Ele é estável, mas tem alto teor de cloro, que se dissolve na água. Por isso, outro problema será a questão ambiental que virá depois". Segundo o professor, o produto é usado na maioria das vezes em desinfecção de água, mas em grandes quantidades passa a ser tóxico. Cerca de mais 300 pessoas passaram mal muitas delas foram atendidas nos postos de atendimentos médicos da região ainda não se sabe direito o numero exato de pessoas que acabaram inalando a  fumaça tóxica mas tudo leva a crer que o numero é muito grande é que as informações nesses casos de acidentes dessa natureza chegam sempre desencontradas e nunca se tem uma  apuração precisa .

VEJA MAIS

Use do formulário ao final na página para mandar seu recado

Nome

E-mail *

Mensagem *