ULTIMA NOTICIA

Noticia de Cajati e Vale do Ribeira e Baixada Santista e Estado de São Paulo!

segunda-feira, 17 de março de 2014

Boletim de Economia da Fundap analisa mercado de câmbio brasileiro em 2014

Estudo traz reflexão sobre o mercado de câmbio brasileiro no primeiro bimestre de 2014
Na sexta-feira, dia 14 de março, a Fundap lança a 27ª edição de seu Boletim de Economia, dessa vez com o tema “O mercado de câmbio brasileiro no primeiro bimestre de 2014”.
Composto de duas seções, “Conjuntura Econômica em Foco” e “Anexo Estatístico”, o estudo analisa a situação do mercado de câmbio dos chamados cinco frágeis – África do Sul, Argentina, Brasil, Índia, Indonésia e Turquia – diante do tapering (redução gradual do programa de compra de títulos de longo prazo pelo Federal Reserve, o Banco Central americano), e reflete sobre a influência da alta de juros básica brasileira nesse panorama.
A íntegra do Boletim de Economia está disponível no site http://novo.fundap.sp.gov.br. O boletim inicia a reflexão abordando os efeitos do tapering e dos novos indicadores desfavoráveis da economia chinesa sobre os mercados cambiais de algumas economias emergentes. "Além da Argentina, em crise cambial aberta, também foram especialmente atingidos a Turquia, a África do Sul, a Índia, a Indonésia e o Brasil" afirma o estudo.
Esse grupo foi denominado pela imprensa especializada de "os cinco frágeis", devido aos elevados déficits em transações correntes, altas taxas de inflação e desaceleração do crescimento. Segundo a publicação, como reação, o governo brasileiro vem aumentando a taxa de juros básica, tornando-a mais elevada dentre as principais economias emergentes.
"Esse diferencial de juros excepcional estimulou o ingresso de investimentos de portfólio em títulos públicos e contribuiu, decisivamente, para a menor depreciação do real, em janeiro (2,2%), em relação tanto ao observado nas várias economias emergentes no mesmo período, quanto à depreciação registrada pela moeda brasileira entre 22/5/2013 e 30/8/2013 (14%)" destaca o estudo.
O estudo cita ainda outros fatores que justificam o melhor desempenho da moeda brasileira em relação ao das demais moedas emergentes em 2014, assim como ao seu próprio desempenho no trimestre julho-agosto de 2013. Uma das razões é a meta fiscal brasileira de 2014, considerada crível e realista pelo mercado, o que gerou baixa nas apostas em prol da depreciação da moeda brasileira. Outro motivo refere-se às "tensões políticas havidas em outros países (Argentina, Venezuela e Ucrânia), que os tornaram alvos privilegiados dos ataques especulativos de investidores externos".
A previsão do boletim para os próximos meses é de que, mantido o ritmo do tapering e não surgindo nenhuma surpresa negativa em relação à economia chinesa e ao desempenho macroeconômico brasileiro, "nosso excepcional diferencial de juros deve seguir atuando no sentido de evitar depreciações adicionais da moeda brasileira".
Postar um comentário

VEJA MAIS

Use do formulário ao final na página para mandar seu recado

Nome

E-mail *

Mensagem *