ULTIMA NOTICIA

terça-feira, 4 de abril de 2017

Técnica de bioengenharia muda realidade do Complexo Mineroquímico da Vale Fertilizantes em Cajati

Resultado de imagem para simbolo da vale

Por meio de pesquisa desenvolvida pelo convênio Vale-FAPESP, empresa realiza iniciativa para recuperar área de deposição de estéril


A FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), com o apoio da Vale, realizou um estudo que modificou a área de deposição de estéril do Complexo Mineroquímico de Cajati da Vale Fertilizantes, localizado no Vale do Ribeira.
O projeto buscou utilizar os materiais disponíveis na própria unidade operacional e na região de Cajati para promover a recuperação de áreas destinadas ao estéril, composto descartado na operação da mina que, por conter baixa ou mesmo nenhuma concentração de fósforo (elemento químico usado na produção de fosfato), não é aproveitado nos demais processos de extração.
A realidade começou a mudar em março de 2012, quando pesquisadores do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT), por meio do convênio Vale-Fapesp e em conjunto com a Vale Fertilizantes, passaram a buscar alternativas para diminuir o impacto visual da existência dessas pilhas na operação e no meio ambiente local. A solução encontrada foi a utilização de técnicas de bioengenharia, que aliam conhecimentos de engenharia civil, agronomia e biologia para a estabilização das camadas de solo.
A partir disso, o solo foi projetado sobre a rocha, em um módulo com cerca de 20 metros de altura por 20 metros de largura. No local, os técnicos aplicaram argila e calcário para promover linearidade ao terreno.
Em seguida, com o objetivo de reter a argila e o calcário sobre a pilha de estéril, foram fixadas três estruturas diferentes: a guirlanda, preenchida com palha de junco, as colmeias e os sacos de café vazios, formados essencialmente por juta (tecido vegetal). Essas estruturas foram periodicamente testadas com o uso de água, simulando chuvas, e nelas foram depositadas sementes de espécies arbustivas de ciclo de vida curto para começar tanto o processo de formação de solo como a sua vida por meio da adubação verde. Após três anos do início dos testes, foram também inseridas mudas de espécies leguminosas visando atrair animais que pudessem acelerar a recuperação ambiental.
Além dos resultados já obtidos em relação à infraestrutura local, a geração de conhecimento científico foi um dos ganhos simbólicos da ação. “Com a execução do projeto, nós viramos referência bibliográfica em diversos trabalhos acadêmicos”, explica o o supervisor de Meio Ambiente do Complexo em Cajati, Henrique Miguel Martinho, que reforça o potencial dos benefícios sociais da iniciativa para a região, principalmente associados à geração de renda para artesãos que comercializam sobras de juta em suas atividades.
Os trabalhos de pesquisa foram finalizados em 2016. Após a conclusão, foram utilizados três critérios para a identificação da melhor estrutura a ser usada na recuperação ambiental da área: desempenho de cada técnica individual, fornecimento dos serviços ambientais e valoração ambiental. Dentro dessa análise, a estrutura que apresentou os melhores resultados foi a guirlanda, seguida pelos sacos de café e colmeias.
A parceria trouxe bons resultados em outras regiões também. Considerado o maior convênio já firmado entre uma empresa privada e órgãos estaduais de amparo do País, o Vale-FAPs contratou 114 dos 117 projetos apresentados, que viabilizaram 621 bolsas de pesquisa envolvendo 30 instituições nos Estados de São Paulo, Minas Gerais e Pará. As pesquisas se concentraram nas áreas de mineração, energia, ecoeficiência e biodiversidade e processos ferrosos para siderurgia. Do total investido, a Vale desembolsou R$ 61 milhões e as FAPs, R$ 38 milhões.

Postar um comentário

VEJA MAIS

Use do formulário ao final na página para mandar seu recado

Nome

E-mail *

Mensagem *